As emocionantes aventuras de um sysadmin linux na procura pelo uptime perfeito!

LinuxCon Brasil 2010 – Dia 2

Posted: setembro 9th, 2010 | Author: coredump | Filed under: Linux e Open Source, Uncategorized | Tags: , , ,

Continuando, o segundo dia da LinuxCon prometia ser tão interessante quanto o primeiro, mas como meu voo estava marcado para mais tarde eu tinha de ficar esperto com bagagem, aeroporto e essas coisas.

O Panel com os desenvolvedores do Kernel foi bem interessante. Foi meio um QA sobre futuro e passado do Kernel, com direito a casos pitorescos como “Qual o código menos mantido no código do kernel” (resposta, a camada TTY).

Outras palestras interessantes do dia incluiram a do Glauber da Red Hat sobre KVM, que me deixou bastante animado com relação a evolução do projeto. Ou “produto” como eles chamam lá na corporação deles.

Teve um palestrante que faltou. Foi… Trágico.

A palestra do Thomas Gleixner do RT Patch foi hilária. Eles são realmente meio malucos, mas aparentemente o patch está a caminho de ser aprovado. Claro que existem penalidades de performance em se usar um sistema Real Time, em torno de 25% até, mas se você quer usar um real time kernel você tem de se conformar.

No final das contas, a qualidade das palestras da LinuxCon é inegável, principalmente dos palestrantes internacionais.

intel.

1 Comment »

Parece que eu não fui o único….

Posted: junho 26th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Uncategorized

A tirinha.

A thread dos frustrados

droga!

*chuta pedrinha*

intel

No Comments »

Greyhawk silencia: Morre Gary Gygax

Posted: março 4th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Uncategorized | Tags:

http://en.wikipedia.org/wiki/Gary_Gygax

Morreu a pouco mais de uma hora Gary Gygax, o que explica esse silêncio esquisito que a mente de todo jogador de D&D sentiu. Os jogadores de RPG ficaram órfãos, hoje.

No Comments »

Banner of Geekdom: +86% to all attributes

Posted: julho 28th, 2007 | Author: coredump | Filed under: Uncategorized | Tags: ,

86% Geek 86% Mingle2.com – Free Online Dating

2 Comments »

Porão do Rock 2007

Posted: junho 3rd, 2007 | Author: coredump | Filed under: Uncategorized | Tags: ,

Estou fazendo o post para contar do Porão do Rock que aconteceu no início do mês. Fiquei embaçando e acabei perdendo o tempo. Só de raiva, vai ser postado retroativamente.

Decidi ir no Porão depois que eu vi o lineup de sábado. Mudhoney estaria fechando a noite, era minha chance de voltar a minha adolescência! Explico: quando comecei a andar de skate, nos idos de 90 e poucos, eu era meio tosco com relação a música, eu vivia de escutar o que tocava em rádio. Foi então que um amigo do SENAI/COTEOM me deu uma fita cassete gravada com Nirvana de um lado e, adivinhe, L7 e Mudhoney do outro, se tornando esse o passo inicial do meu gosto musical moderno. Aconteceu quase a mesma coisa quando no final dos 90 uma amiga do RJ deixou uma fita com Murder Ballads do Cave tocando no carro, mas isso é uma história para outra hora.

Comuniquei lá em casa meu desejo de ir no evento e com tudo combinado fui trabalhar numa migração (trabalhar sábado, você um dia chega lá). Como minha esposa é especial e tem os contatos barra pesada, consegui duas entradas para a área VIP do Porão. Fila do gargarejo mesmo. O show tinha dois palcos montados, como o lineup era grande acontecia de um show acabar e o outro palco já estar começando. Non stop total. Na frente destes palcos tinha uma área de proteção com uns 2 metros, uma grade e daí começava a área que eu estava, que além de ser perto do palco tinha um lounge com Guitar Hero, acesso a vendedores de coisas (WTF cerveja long neck a 4 reais) e acesso à area de imprensa onde dava pra falar com o povo da banda. Elite né? Ter esposa foda é bom :)

Cheguei lá com meu chefe (eu tinha dois ingressos) quando estava no show do Móveis Coloniais de Acaju. Confesso que já tinha tido chance de ouvir os caras e não tinha gostado, mas naquela noite eles estavam mais encapetados e gostei muito da apresentação, é tipo um Karnak-Big Band-Indie. Na sequência veio Nação Zumbi que se esforçou mas… foda né? Sem o Chico Science eles acabam ficando meio que cult demais. Ninguém conhecia a maior parte das músicas e só animavam mesmo quando alguma música antiga fazia alguma aparição. Resultado foi um show meio morno que só ficou agitado quando o vocalista resolveu ultrapassar o tempo combinado e tocar umas 5 músicas da época do Afrociberdelia como A Cidade, Maracatu do Tiro Certeiro, Maracatu Atômico e Macô, foi um dos momentos altos da noite dançar Blunt of Judah na frente dos gigantescos PA de som do palco, era como se os sons dos tambores estivessem me atravessando (sério, o deslocamento de ar era tanto que a roupa tremia no corpo). Curiosamente, Blunt of Judah foi uma das únicas músicas do Nação-pós-Chico que chegou na MTV e rádios fazendo sucesso. Corri para o outro palco a tempo de ver a apresentadora chamar Bellrays de Billrays (sic). Fiquei com vergonha por ela. O show do Bellrays foi animado, conseguiu depois de umas 2 músicas tirar o povo do susto – susto esse devido a vocalista ostentar um gigante black power, ser meio gorda e usar um vestidinho aberto do lado – e a galera agitar. O que prova a teoria de que banda de qualidade não precisa ser necessariamente conhecida, eu ouvi Bellrays quando li o nome deles na programação do evento e acabei gostando, mas tinha muita gente ali que nunca tinha visto ou ouvido nada e da segunda música pra frente estavam dançando e tentando achar a letra pra cantar junto.

Então teve o show do Sepultura. onde eu fiquei sentado descansando bem longe do palco pra não ter de ouvir aquele som detestável.

E daí teve o show do Mudhoney. Aparentemente o ponto alto da noite era Sepultura porque o lugar deu uma esvaziada assim que eles acabaram de rosnar lá em cima do palco. A vantagem foi que quem ficou tava no meu nível: todo mundo fã da banda. E eles tocaram os clássicos, inclusive a música que tava na fitinha cassete mencionada anteriomente, Suck you Dry. Tenho de dizer que foi uma experiência massa ver ao vivo uma coisa que fez tanta parte da minha formação musical. Touch me I’m sick foi uma das boas também. O show foi animado e tinha uma galera cantando junto e agitando. Já eram umas 4 da manhã quando saí de lá e fui pra casa.

No geral, foi um saldo bem positivo. Agora pra melhorar só com um show do Cave. Mas esse eu já meio que desisti.

intel.

2 Comments »