As emocionantes aventuras de um sysadmin linux na procura pelo uptime perfeito!

Caveira Raimundo, outra vez

Posted: abril 22nd, 2010 | Author: coredump | Filed under: Pessoal | Tags: ,

Recebi este email agora, e achei que seria de bom tom reproduzí-lo aqui no blog integralmente. Desde que fiz o post sobre a música do Caveira Raimundo (também conhecida como Coveiro Raimundo ou Raimundo o Coveiro), recebi vários comentários e aparentemente o email abaixo corrobora a informção sobre a música ter sido apresentada num festival de música em Brasília. Parece sólido.

Olá José,
Acabei de ler o texto que você escreveu perguntando sobre a origem da música “Raimundo, O coveiro”… em 13 de agosto de 2008…

Bom, você pode acreditar ou não…
Mas quem compôs esta música foi meu tio Aureo Delábio Ferraz, que faleceu no ano de 1984…
Meu tio apresentou esta música num festival de música na UnB, na época que ele era estudante aqui em Brasília, desde então a música ficou conhecida… Você pode ver que ele se formou na UnB em Engenharia Civil, coloca o nome dele no google que sai…
Infelizmente é a unica citação dele no google.
Meu tio faleceu quando era muito jovem num acidente de carro e em uma época que não havia internet, assim a música ficou na memória de muitos, mas o nome dele e a banda não… Inclusive várias pessoas plagiaram a música e disseram que a música era dos mesmos..
Eu não conheci meu tio, nasci em 1987, mas ouço esta música desde que era muito pequena, assim como outras que meu tio fez (Meleca no almoço, meleca no jantar, meleca tá virando prato popular….)…
Hoje, no aniversário de Brasília, acho que devo este favor ao meu querido tio…

Então…. A letra que você colocou no seu texto é uma versão plagiada, a versão original é esta…

Letra original
Raimundo Coveiro

Era um coveiro com cara de defunto
Era um coveiro que se chamava Raimundo
Raimundo, Raimundo, levanta vagabundo
Raimundo, Raimundo, chegou mais um defunto
Até as caveira já o conheciam
Até as caveira já diziam todo dia
Raimundo, Raimundo, levanta vagabundo
Raimundo, Raimundo, chegou mais um defunto
mas um belo dia Raimundo adoeceu
E de repente Raimundo morreu
Raimundo, Raimundo, bem vindo ao nosso mundo
Raimundo, Raimundo, vem pr’esse buraco fundo
E no cimitério Raimundo se enturmou
Pela sua vizinha Raimundo se apaixonou
Era uma caveira alta e desdentada
Pelo tal Raimundo ficou louca apaixonada
Raimundo, Raimundo, teu olhar é tão profundo
Raimundo, Raimundo, vem fundo vagabundo
E dona caveira que era uma gracinha
Com o tal Raimundo teve várias caveiras
Mamãe, mamãe, eu quero mamadeira…
Cala a bola não chateia não tenho peito sou caveira…
Era um coveiro…

Abraços de uma Sobrinha emocionada.

intel

14 Comments »

Circa Survive: The Greatest Lie

Posted: setembro 26th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Música | Tags: ,

This building smelled so familiar
Well I had thought the sense was lost
And in a day dream I imagined my house
Where all my father’s sense of strength was lost

It’s all we have
It’s all we have
So find me a place to begin

If I could get this feeling to end
Trembling idle hands holding me there
We laugh in the face of love
Cause nobody’s really there
Nobody’s real

Desire, I would try it either way
We believe in something invisible
The sense of smell that you use all your life
Well now you know your father lied

It’s all we have
So find me a place to begin

If I could get this feeling to end
With trembling idle hands holding me there
We laugh in the face of love
Cause nobody’s really there
Nobody’s real

And I could never find my way without
But you’re already there
And we, we’ve come a long long way without
Without maps in our hands

It’s all we have
So find me a place to begin

If I could get this feeling to end
Trembling idle hands holding me there
We laugh in the face of love
Cause nobody’s really there
Nobody’s real

No Comments »

A caveira Raimundo

Posted: agosto 13th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Pessoal | Tags: ,

Quando eu estudava ainda nas primeiras séries do antigo primeiro grau, o colégio (de freiras) tinha costume de fazer umas viagens para Belo Horizonte para visitar shoppings. Naquela época Divinópolis não tinha nada parecido e dar uma volta nas lojas do BH Shopping era o must.

Numa dessas excursões umas meninas de umas séries mais a frente (que eu desconfio já estavam no antigo segundo grau) cantaram uma longa música sobre uma caveira chamada Raimundo. Infelizmente eu só conseguia lembrar do início até hoje: ‘Era um coveiro chamado Raimundo’, e que em algum ponto da música o cara morria. Uma menina ‘puxava’ os versos de duas linhas e as outras respondiam os refrões de quatro linhas.

Hoje eu tentei denovo uma busca no google e veja lá que eu acho a letra completa, que reproduzo abaixo.

Eu fico me perguntando de onde vem essa música? Não consegui informação alguma. Será música de torcida? Algum pedaço perdido da MPB? Folclore? Música militar? O mistério continua (se alguém souber agradeço) mas achar a letra já foi divertido.

era um coveiro chamado raimundo
era um coveiro com cara de defunto

raimundo raimundo
levanta vagabundo
raimundo raimundo
chegou mais um defunto

até as caveiras já o conheciam
até as caveiras sempre lhe diziam

raimundo raimundo
levanta vagabundo
raimundo raimundo
chegou mais um defunto

mas um belo dia raimundo adoeceu
e sem que se esperasse raimundo morreu

raimundo raimundo
bem-vindo ao nosso mundo
raimundo raimundo
veja o seu buraco fundo

e lá no buraco raimundo se queimou
e por sua vizinha ele se apaixonou

era uma caveira magricela e desdentada
e pelo raimundo ficou apaixonada

raimundo raimundo
seu olhar é tão profundo
raimundo raimundo
vem fundo vagabundo

e no cemitério houve uma festança
houve muita dança em cima das catacumbas
as caveiras levantavam e diziam num só grito

parabéns parabéns
aos novos felicíssimos
parabéns parabéns
aos novos felicíssimos

o tempo pro raimundo foi passando
e sua carne foi se deteriorando

virou uma caveira muito engraçadinha
hoje o raimundo tem muitas caveirinhas

mamae mamae eu quero mamadeira
calaboca nao chateia
nao tenho seios sou caveira

intel!

13 Comments »

Resenha: Dig, Lazarus, Dig!!!

Posted: março 10th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Música | Tags:

Já saiu, comprei pelo www.mutedownloads.com por 26 reais. MP3 320 KBPS sem DRM, então foi tranquilo.

Muito bom, tem musica para quem gosta de Nick Cave antigo (Night of the Lotus Eaters e a própria Dig, Larazus, Dig!!), para quem gosta do Nick Cave “boatman’s call” (Jesus of the Moon e Moonland), para quem gosta do Nick Cave ‘pop’ (More News from Nowhere) e para quem gosta do Nick Cave ‘Grinderman’ (Albert Goes West soa quase Ramones-com-letra e Lie Down Here and be my Girl me lembra Nature Boy).

Para variar, as letras são fantásticas, os temas de amor e bíblia continuam cada vez mais presentes, a voz dele continua demais e nem notei tanta diferença na guitarra. Outra coisa que eu gostei foi a utilização mais pesada de baixo (Night of the Lotus Eaters é assustadora) e de orgão no estilo sessentão, como em We Call Uppon the Author to Explain.

Muito dubão o disquinho. Recomendo até para quem não é fã, na verdade, principalmente para quem não é fã, porque vai ser.

No Comments »

The Editors, Amy Winehouse, 16 Horsepower

Posted: janeiro 30th, 2008 | Author: coredump | Filed under: Música | Tags:

Duas adições recentes nas minhas playlists diárias.

The Editors tem uma música chamada The Racing Rats que é muito, muito boa, daí para frente quis conhecer mais dos caras e os dois albums deles são realmente muito bons. Destaque para a voz do lead singer que define bem todas as músicas da banda. Recomendo sem dúvida alguma.

Amy Winehouse… Bem, a criatura pode ser a coisa mais junkie do planeta atualmente, mas canta pra cacete. Rehab e Tears Dry on Their Own vão acabar furando, de tanto que elas repetem no ipod. Como se mp3 fosse passível de furar, mas deu para entender a hipérbole certo?

16 Horsepower é uma banda de Alternative Country, que pode ser considerada na verdade uma banda de Dark Country, dado o teor das letras e da densidade do instrumental. Não é para os fracos do coração, parece uma mistura de Johnny Cash com The Cure na época boa. Recomendado também, mas só para quem é eclético com força.

No mais, as playlists estão concentrando bastante Mudhoney, Rage Against the Machine e Bad Religion, porque eu precisava revisar um monte de coisas dessas bandas, e um bocado de coisas de bandas indies. Ainda estou me acostumando com essa definição.

intel

No Comments »